Início » País de origem » Líbano » Batroun, Líbano: Visita a Ixsir

Batroun, Líbano: Visita a Ixsir

Ixsir

E lá fomos nós, do antigo e tradicional Chateau Musar à moderna e interessante vinícola Ixsir.

O nome da vinícola deriva da palavra elixir, que tem sua origem na língua árabe (Al-Ikseer) e supostamente designaria uma poção ou bebida que teria o poder de curar vários males e prolongar a vida de quem a consumisse, como o elixir da longa vida perseguido pelos alquimistas da antiguidade. Uma alusão intencional à visão da vinícola de explorar os diferentes terroirs do Líbano para produzir uma bebida única e fortemente associada ao país. Para isso, a vinícola possui vinhedos em diversas regiões do país, no norte em Batroun, no sul em Jezzine, além de diferentes locais do Vale de Bekaa.

A vinícola, onde são produzidos e envelhecidos os vinhos, se localiza em Batroun e foi construída com mínima intervenção na paisagem, preservando uma tradicional casa de campo libanesa com mais de 400 anos. O que lhe rendeu em 2011 o prêmio Green Good Design e em 2013 o Architizer A+ Popular Choise Awards, atestando a sua bela e interessante sua arquitetura (Mais fotos do projeto podem ser observadas aqui).

A casa antiga

A casa antiga

O moderno / tradicional interior

O moderno / tradicional interior

Fundada em 2008, a Ixsir produz anualmente 300.000 garrafas de vinhos e tem plantadas as uvas Cabernet Sauvignon, Syrah, Tempranillo e Caladoc, entre as tintas e Viognier, Muscat, Sauvignon Blanc, Chardonnay e Sémillon, entre as brancas. Dos vinhos provei o seguinte:

Altitudes Ixsir Rosé 2012: um rosé feito a partir do corte de 66% de Syrah com 34% de Caladoc. Vinho de cor salmão escuro e aromas elegantes que remetiam framboesas e leve vegetal. Na boca tinha bom volume, com maciez, equilíbrio, boa acidez, mineralidade e um toque apimentado no final de boca. Um vinho simples, leve e refrescante. Diferente de grande parte dos rosés libaneses era bem seco.

A premiada arquitetura da vinícola

A premiada arquitetura da vinícola

Ixsir Grande Réserve White 2012: e a coisa ficou séria. Esse corte de 60% de Viognier, 25% de Sauvignon Blanc e 15% de Chardonnay possuía uma coloração amarelo palha mais escura, tendendo para o dourado e aromas bem intensos, complexos e interessantes que lembravam damasco, cítricos, amêndoas, jasmim e algo de mel. Na boca era denso, macio, equilibrado e com uma bela acidez. Persistência muito boa. Branco bem interessante, empolga o potencial da Viognier no Líbano, aliás os brancos libaneses… Cada vez mais me impressionam! Pena que aqui no Brasil a oferta seja tão limitada. E mesmo que não fosse, o preço também não ajudaria.

Mais uma amostra da premiada arquitetura da vinícola

Mais uma amostra da premiada arquitetura

Ixsir Grande Réserve Red 2009: um corte entre 61% de Syrah e 39% de Cabernet Sauvignon. Cor violeta de certa transparência, com aromas intensos e complexos remetendo a amora, uva passa, pimenta do reino, noz moscada e um interessante vegetal. Na boca era encorpado, estruturado, com ótima acidez e taninos firmes, ainda um tanto jovens. Já é legal beber o vinho agora, ele está relativamente macio, mas ainda muito jovem. Melhor Guardar. Parecia um Supertoscano e ou um Syrah do sul da Itália (Sicília), mas ao mesmo tempo não era nenhum dos dois. Estiloso.

O pessoal recebendo as uvas na vinícola Ixsir

O pessoal recebendo as uvas na vinícola Ixsir

Bastante empolgantes os vinhos da Ixsir! Diferentes e interessantes, com estilo bem moderno e voltado para o mercado internacional. Em pensar que a vinícola ainda é bastante nova e que o projeto é bastante pretensioso. Acredito que a qualidade vai melhorar ainda mais com o tempo. Tendo oportunidade de retornar ao Líbano algum dia essa seria umas das vinícolas que eu visitaria novamente.

A cidade de Batroun, capital do distrito de mesmo nome, é minha sugestão de turismo na região da vinícola Ixsir. Além de belas paisagens, Batroun possui interessantes ruínas, movimentada vida noturna e praias. Não deixe de visitar o centro antigo da cidade e o castelo Mousayliha, um pouco afastado da cidade.

A muralha fenícia com seus milênios de existência

A muralha fenícia com seus milênios de existência

O castelo

O castelo Mousayliha

Resumo da visita:

Vinícola: Ixsir

Localização: Basbina, Batroun, Norte do Líbano

Data da visita: 05/09/2013

Com quem: Chemil

Preço da degustação: gratuita

Obs: os vinhos da Ixsir são importados para o Brasil pela Grand Cru

Post atualizado em 19/03/2014 com a adição da Grand Cru como importadora dos vinhos.

 

Anúncios

6 pensamentos sobre “Batroun, Líbano: Visita a Ixsir

    • Carlos,

      Eu tive notícias de que a Grand Cru começou a importar eles para o Brasil, depois de seu comentário vou até atualizar o post.

      Você já provou os vinhos?
      Eles são realmente muito bons, libaneses em um estilo mais moderno que os demais, sem deixar de serem bem peculiares, são vinhos para cair no gosto internacional. Também acredito e torço pelo sucesso deles aqui no Brasil, afinal é mais uma dentre as poucas opções de vinhos libaneses em nosso mercado.

      A visita a vinícola também é imperdível, ela é linda! Espero poder retornar lá um dia.

      Abraço,
      Jorge.

  1. Pingback: #CBE: Ixsir Grande Réserve Blanc 2012 | Contando Vinhos

  2. Jorge,

    Pelo que pude entender o grande reserva red deve ser aberto mais tarde. Quanto tempo acahria o necessário para um 2009. Acabei de comprar na Grand Cru pelo preço sugerido de 150,00 reais. Em tempo possuo adega climatizada em casa.

    Abs,
    João.

    • João,

      Recentemente abri a garrafa do Ixsir Grande Reserve tinto 2009 que trouxe comigo de lá (em breve comento aqui no blog). O preço da Grand Cru está muito bom pelo o que é o vinho, tá dando banho em muito francês, italiano, argentino, chileno, etc nesse faixa.

      Agora, não é um vinho dos mais macios, pede um bom cordeiro ou outra carne forte para acompanhar, os taninos ainda estão pegando bastante e ele tem boa acidez para envelhecer por um bom tempo. Se você tiver muito curioso e quiser beber agora, pode, já é um vinho interessante, mas eu esperaria mais uns 2 ou 3 anos no mínimo e acho que ele pode envelhecer bem em garrafa por pelo menos mais uns 5-7 anos.

      Qualquer coisa estou a disposição!
      Abraço,
      Jorge.

  3. Pingback: Ixsir Altitudes Blanc 2013 | Contando Vinhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s