Início » País de origem » Grécia » Peloponeso: Tetramythos

Peloponeso: Tetramythos

Tetramythos

Retornando da cidade de Olympia para Atenas, agora já programando as visitas, marquei com essa vinícola que ficava em nosso caminho, ou quase, considerando que com um ligeiro desvio de 15 minutos montanha acima chegamos lá. A Tetramythos ficava bem na beira da estrada e não tivemos problemas para encontrá-la.

Fomos recebidos pelo atencioso Aristos, um dos sócios do empreendimento, que se não dominava perfeitamente o inglês, foi bem simpático conosco, nos apresentando a estrutura da vinícola e conduzindo uma degustação de seus vinhos.

A Tetramythos é fruto da iniciativa dos irmãos Aristos e Stathis Spanos, provenientes de uma família de viticultures das montanhas de Aegialia, em conjunto com o enólogo Panayiotis Papagiannopoulos, também natural desta região. Em 1999 eles se conheceram e fizeram seus primeiros vinhos, em seguida investiram em novos vinhedos e na vinícola que ficou pronta e opera desde de 2004.

A vinícola.

A vinícola.

A região de Aegialia é reconhecida há muito tempo por suas boas condições para plantio de uvas destinadas à produção de vinhos, conforme dito por Pausanias geógrafo e viajante grego da antiguidade. Os vinhedos da Tetramythos, localizados nessa região, estão situados entre 450 e 1000 metros de altitude e são cultivados de forma orgânica. As uvas plantadas são: Roditis, Malagousia, Sauvignon Blanc, Agiorgitiko, Black of Kalavryta, Merlot e Cabernet Sauvignon, recebendo a denominação de Vinho de Qualidade Produzido na Região Determinada de Patras (V.Q.P.R.D. de Patras).

Quando aos vinhos provados, faço uma breve descrição deles a seguir:

Tetramythos Retsina: o melhor retsina que já bebi! E olha que bebemos vários enquanto estávamos na Grécia. Elaborado com a uva Roditis, os aromas são florais, frutados, vegetais e de mastika (uma planta cuja resina é muito utilizada na Grécia para elaboração de doces e licores), sem sobreposição da resina de pinho ao resto das características do vinho, pelo contrário há uma complementação. Na boca é incrível! Elegante, leve e refrescante, com boa acidez e mineralidade, deixa na boca um leve e delicioso gosto de pinheiro.

Ânforas nas quais fermentou parte do retsina.

Ânforas nas quais fermentou parte do retsina.

Tetramythos Roditis 2012: ótimo branco elaborado com a casta Roditis. Bem típico dessa uva, possuía aromas frutados e florais, sendo leve e refrescante na boca, com boa acidez e mineralidade. Simples e agradável.

Tetramythos Malagousia 2012: vai parecer brincadeira, mas esses caras acertaram na mão de novo! Foi o melhor Malagousia que eu bebi (devo dizer que bebi só uns 3 varietais e alguns poucos mais em cortes)! E de todos os vinhos que provei na Grécia, esse foi o único que me arrependo de não ter comprado para trazer. O vinho era bastante aromático remetendo a frutas (maracujá e cítricos), flores e um ótimo toque vegetal. Na boca acidez e mineralidade sensacionais, boa intensidade e equilíbrio.

Tetramythos Milia White 2011: elaborado com a Sauvignon Blanc, estagia algum tempo em barris de carvalho. Era complexo no nariz, com bons aromas frutados, florais, vegetais e de baunilha. Mas na boca a madeira domina o restante do vinho, que não é ruim, só não me pareceu ter estrutura para “competir” com a madeira. Como já não sou muito fã de branco amadeirado, esse aqui não me agradou.

Tetramythos Agiorgitiko 2012: esse tinto foi elaborado com a Agiorgitiko plantada em altitude, em clima mais frio que o de Nemea, gerando um vinho mais macio, delicado e elegante. E por mais que pareça algo incompatível, esse vinho conseguia ser um tinto leve e intenso. Simples, agradável e fácil de beber, um belo vinho para o dia a dia.

Os tanques de fermentação.

Os tanques de fermentação.

Tetramythos Black of Kalavryta 2011: esse eu já me adiantei e comentei aqui no blog. Trata-se de um vinho interessante, elaborado com a rara e local uva Black of Kalavryta. É um vinho frutado, elegante, com acidez marcante e taninos finos.

Tetramythos Milia Red 2011: interessante corte de Cabernet Sauvignon, Merlot e Black of Kalavryta. Aromas de certa complexidade com frutas, especiarias e menta. Na boca era bem encorpado, com boa estrutura tânica e acidez. Persistência longa. Já estava macio, mas na minha opinião ainda se encontrava um pouco novo para ser bebido, demonstrando bom potencial de guarda. O corte ficou interessante, sendo o vinho bem peculiar.

Tetramythos Cabernet Sauvignon 2010: um Cabernet Sauvignon de respeito, mas como eu estava na Grécia e praticamente tudo que eu provava me trazia novidades, este não me chamou muita atenção, pois trata-se do bom e velho Cabernet Sauvignon com um estilo diferente (o que ocorre graças a região). Me lembrou um bom super toscano. Aromas de boa complexidade remetendo a frutas, café, pimenta, menta e tostado. Na boca era estruturado, bastante encorpado, profundo e final bem longo. Já era bem prazeroso bebê-lo, mas o vinho ainda está bem jovem.

A vista da montanha para o mar.

A vista da montanha para o mar.

Ao final da visita, quando fomos comprar os vinhos, não havia mais garrafas do retsina para venda, percebendo minha empolgação com esse vinho, o Aristos nos presenteou gentilmente com uma das poucas garrafa que ele ainda tinha em sua reserva pessoal. Gostaria de registrar isso aqui no blog e agradecer pela atenção e consideração!

Enfim, eu diria que essa foi a vinícola mais interessante que visitamos durante nossa viagem. Os vinhos eram muito bons, interessantes e diferenciados, a estrutura para receber turistas também era boa e a paisagem ao redor da vinícola muito bonita, com bela vista da montanha para o mar. Se alguém em viagem para a Grécia planejar passar por perto dessa vinícola, sugiro muitíssimo visitá-la. Depois da visita podem fazer a mesma coisa que nós, dar um mergulho na bela praia que fica lá embaixo, a poucos minutos da rodovia que leva à Atenas.

A praia mencionada

A praia mencionada

Resumo da visita:

Vinícola: Tetramythos

Localização: Achaia, Peloponeso, Grécia

Data da visita: 16/08/2013

Com quem: Patrícia

Preço da degustação: grátis

Obs: vinhos sem importador no Brasil.

Anúncios

Um pensamento sobre “Peloponeso: Tetramythos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s